segunda-feira, 13 de junho de 2022

Crítica: Lightyear

 

Nesta aventura de ficção científica cheia de ação, conhecemos a origem definitiva de Buzz Lightyear (voz de Chris Evans), o herói que inspirou o brinquedo. “Lightyear” segue o lendário Space Ranger em uma aventura intergaláctica ao lado de um grupo de recrutas ambiciosos (vozes de Keke Palmer, Dale Soules e Taika Waititi), e seu companheiro robô Sox (voz de Peter Sohn). Também se juntam ao elenco Uzo Aduba, James Brolin, Mary McDonald-Lewis, Efren Ramirez e Isiah Whitlock Jr. Dirigido por Angus MacLane (co-diretor de “Procurando Dory”) e produzido por Galyn Susman, “Lightyear” estreia em 16 de junho de 2022, exclusivamente nos cinemas.



Nossa Opinião:

O Andy estava certo! Esse é um filme marcante da Pixar. A qualidade dessa animação é surpreendente! Temos um roteiro batido (nada de surpreendente, principalmente se você acompanhou a a saga Toy Story). Isso não tira o brilho e a ação que você simplesmente não imagina que vai ser apresentado nesse filme. 
Como todo filme da Pixar, sempre haverá uma lição entremeada na história. O público desse filme é bem definido: para galera nostalgica (com eu) e para uma criançada que nunca teve contato com o filme. O impacto fica na linguagem. A saída de uma linguagem infantil para uma história mais robusta (batida, porém robusta) marca uma mudança de entendimento do público. A recomendação é garantida. As crianças vão se divertir assim como os adultos. Há cenas extras no final do filme. 

quarta-feira, 1 de junho de 2022

Crítica: Jurassic World - Domínio

Vivencie o final épico da era jurássica, com duas gerações se unindo pela primeira vez. Chris Pratt e Bryce Dallas Howard são acompanhados pela vencedora do Oscar® Laura Dern, Jeff Goldblum e Sam Neill em Jurassic World Domínio, uma nova aventura ousada, atemporal e de tirar o fôlego que abrange o mundo.
Do arquiteto e diretor de Jurassic World, Colin Trevorrow, Jurassic World Domínio acontece quatro anos após a destruição da Isla Nublar. Os dinossauros agora vivem – e caçam – ao lado de humanos em todo o mundo. Esse frágil equilíbrio remodelará o futuro e determinará, de uma vez por todas, se os seres humanos continuarão sendo os principais predadores em um planeta que agora compartilham com as criaturas mais temíveis da história.

Jurassic World Domínio, da Universal Pictures e Amblin Entertainment, impulsiona a franquia de mais de US$5 bilhões para um território ousado e inexplorado, apresentando dinossauros nunca vistos, ação alucinante e novos efeitos visuais surpreendentes.



Nossa Opinião:

É o fim de um ciclo. O que começou com Jurassic Park chega ao fim com o Jurassic World - Dominio (isso se o filme não estourar no box office, aí vão inventar uma "continuação").  A saga de Michael Crichton que foi adaptada para o cinema teve altos e baixos durante sua duração. Na verdade, a distância entre os filmes foi determinante para o sucesso dos filmes. Assim, não é de assustar que o sucesso do primeiro Jurassic World se deu por conta de uma renovação do público que não conhecia o primeiro filme.
Sim, houve um enorme enfraquecimento da franquia com os filmes com roteiros fracos e que não se conectavam com os outros filmes (verdade que não havia uma preocupação pelos grandes estudios em criar obras que se conctavam entre si. Bastava gerar o dinheiro)
Essa mudança pela forma de consumir as histórias contadas pelos filmes fez com que esse último filme viesse a remendar tudo aquilo que os outros filmes não conseguiram. 
Domínio é um ótimo filme de ação que consegue trazer aos fãs dessa franquia um final digno. Com várias referências aos filmes anteriores e vários fã-services. Geralmente eu indico que se veja toda a saga para maximizar a experiência do filme (continua valendo) porém possível assistir esse filme sem ter visto os demais filmes. Para os fãs eu recomendo assistir em uma sala IMAX. Recomendação garantida para quem gosta de filme de ação.